sábado, 28 de dezembro de 2013

Novos Passos em 2014!!!



















Nós da Casa da Vila, gostamos de pensar que cada ano que se encerra e novo ano que se aproxima nos deixa mais perto de um tempo em que passaremos a viver em um lugar de mais equilíbrio e abundância para todas as espécies. Que 2014 nos traga novos passos nessa direção! http://www.casadavila.com.br/nossa-trajetoria/sustentabilidade

Nos encontramos em um momento em que uma imensa responsabilidade está sendo demandada. Uma nova categoria de desafios surgiu trazendo consigo algumas necessidades. Claras e urgentes: o entendimento global da humanidade e novas potencialidades e inteligências humanas na busca por soluções. A humanidade carece de um outro tipo de ação humana, com outro tipo de impacto.

Segundo o Relatório da UNESCO, os desafios do século XXI devem se voltar a encontrar um ponto de equilíbrio entre polaridades: o global versus o local, o universal versus o particular, a tradição versus a modernidade, as soluções a longo prazo e as de curto prazo, a igualdade de oportunidades e a competição, a construção de conhecimento e a assimilação da informação, os valores materiais e os valores espirituais.

Nesse cenário, as responsabilidades evoluem, os níveis de compromisso aumentam, os desafios “agigantam-se”. Foi-se a era do trabalho bem feito, do compromisso com o “dever” cumprido, dos valores particulares. Isolados, fragmentados.

Inaugura-se a era dos valores compartilhados, da participação. Do compromisso com o resultado do grupo, do compromisso com seu próprio trabalho. Alcançamos enfim a era dos valores universais onde aflora o compromisso ético, o compromisso com a diversidade, o compromisso com os impactos produzidos. A era profetizada por Severn Cullis-Suzuki, a menina que calou o mundo na ECO-92.
https://www.youtube.com/watch?v=pMOkCyfBvQY

sábado, 21 de dezembro de 2013

Top Choice Lonely Planet Guide


























O famoso guia turístico Lonely Planet colocou o Brasil como o melhor país para se visitar no ano de 2014 em uma lista divulgada há algumas semanas atrás. Em seu ranking anual com sugestões dos melhores destinos, lugares e programas, chamado Best in Travel 2014, o guia indicou a Casa da Vila como “Top Choice” entre mais de 20 sugestões de compras na cidade de São Paulo. Uma amável surpresa do jornalista e cliente Kevin Raub, considerado por muitos o dono da melhor profissão do mundo: viajar atrás de experiências fantásticas, conhecendo pessoas, lugares, restaurantes e relatando suas aventuras em guias de turismo em todo o mundo.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Natal com Propósito


Nos meses de março e abril, época da florada, homens, mulheres e crianças se dirigem aos campos rupestres de Diamantina. São apanhadores de sempre-vivas, assim chamadas porque, depois de colhidas e secas, conservam a beleza e a delicadeza por longos períodos. Pé-de-ouro, minissaia, chapadeira, cachorrinha, vargeira - são muitas as espécies conhecidas como sempre-vivas. A área de maior ocorrência é a Cadeia do Espinhaço, maciço montanhoso que se estende do norte de Belo Horizonte à Chapada Diamantina. 

As sempre-vivas florescem próximos ao cerrado. Algumas são endêmicas, de ocorrência exclusiva em determinada região. Todos os anos, toneladas dessas flores são arrancadas dos campos nativos. Cerca de 80% são destinados à exportação. Há 30 anos, as sempre-vivas eram encontradas perto de cidades e povoados. 

As flores rarearam e hoje os apanhadores percorrem longas distâncias e, como não podem mais ir e vir no mesmo dia, são obrigados a montar ranchos ou acampar sob lapas para coletá-las. 
Portal de entrada do Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres do país, a região viveu dias de glória com a mineração de diamantes. As pedras, porém, minguaram, levando garimpeiros a se aventurarem pelos campos floridos como única fonte de renda disponível. Hoje, várias espécies estão ameaçadas de extinção. A coleta indiscriminada, as queimadas para renovação de pastagens para pecuária extensiva, pisoteio do gado e diminuição das chuvas são algumas das causas. 

Para reverter esse quadro, algumas entidades criaram um projeto cujo objetivo básico é a busca de subsídios para o uso sustentado dessa espécie de flor, difundindo técnicas de manejo para exploração sustentável de sempre-vivas e buscando alternativas de renda para as populações que vivem do extrativismo dessas flores. 

Integrados ao Projeto, os artesãos acordam cedo e percorrem o campo em busca de sementes, botões de flores silvestres, musgos, liquens, coquinhos (coco-do-cerrado, macaúba, buriti) e capas de coco (proteção que nasce sobre os cachos dos coquinhos), matérias-primas comuns nos campos da Chapada nas quais trabalharão durante a tarde, transformando-as em objetos de beleza rara. 

Seguindo este exemplo, vários apanhadores estão deixando a atividade que os sustenta há tantos anos para se dedicar ao artesanato na oficina da comunidade rural onde moram e que até então dependia diretamente do extrativismo de sempre-vivas. A oficina já conta com 32 artesãos e aprendizes cadastrados, homens, mulheres e adolescentes. A condição exigida para trabalhar lá é não utilizar as espécies ameaçadas de extinção. Os objetos produzidos aliam a preservação ambiental e busca de alternativas de renda e melhoria da qualidade de vida das populações locais.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Para inspirar os empreendedores criativos!









Lançado recentemente, o Coletivo Bem Pensado é uma iniciativa da Consul que reúne um grupo de pessoas com idéias transformadoras que estão influenciando o pensamento, o comportamento e as atitudes das pessoas com ideias bem pensadas. Na plataforma, o documentário lançado em 28/11, fala sobre esses brasileiros criativos e as novas perspectivas de ver e agir no mundo ao nosso redor. "Pensa em grandes causas mas tem a intenção de agir no pequeno; porque o pequeno faz muita diferença" http://www.coletivobempensado.com.br

terça-feira, 26 de novembro de 2013













"O mundo precisa de mais pessoas fazendo o bem" Que tal começar agora a se tornar uma delas http://projectSunlight.com.br

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Hoje é o dia do Saci-Pererê
















O conceito de folclore se fundamenta no conjunto de crenças, lendas, festas, superstições, artes, costumes e tradições de um povo. Folclore, palavra de origem inglesa com origem na expressão folk (povo) e lore (sabedoria), significa sabedoria popular.

As manifestações folclóricas são, na verdade, a forma de pensar, de agir e de sentir de um povo e geralmente transmitidas oralmente e através do ato de representar. De autoria desconhecida, são passadas através dos tempos, de geração em geração. São saberes não encontrados nos ambientes escolares. É um conhecimento produzido pelas pessoas comuns.

Com toda sua simplicidade, apresenta características representativas de uma região e como cultura popular, é de fundamental importância, pois somos formados por meio de nossas expressões culturais, costumes e tradições. Através das diversas manifestações culturais do folclore pode-se conhecer a cultura e a tradição de um povo e compreender sua ressignificação, presente nos dias de hoje.

As crenças, mitos, lendas, festas, superstições e artes são a essência de um povo e se fazem presentes no nosso cotidiano, ainda que inconscientemente - na medicina popular, na religião, nos ditados populares, nas simpatias e nas estórias que sempre apresentam um cunho moral.

Produtos baseados em saberes e fazeres locais são instrumentos inestimáveis no processo de fortalecimento e recuperação dessas identidades culturais. São fruto de atividades que conservam e fundem tradições, onde a imensa diversidade é reflexo da convivência entre realidades culturais, econômicas e sociais diversas. A cultura popular estabelece uma ponte entre os cidadãos brasileiros, aparentemente tão isolados pelas distancias culturais, territoriais e sociais. Valorizar produtos de cunho tradicional, ligado aos modos de vida do lugar, às matérias primas disponíveis, aos conhecimentos transmitidos pelos mais velhos por ensino informal e a partir da vivência da própria comunidade é revitalizar nosso patrimônio cultural.

Hoje é o dia do Saci-Pererê, uma lenda do folclore brasileiro que se originou entre as tribos indígenas do sul do Brasil. Possui apenas uma perna, usa um gorro vermelho e sempre está com um cachimbo na boca. Inicialmente, o Saci era retratado como um curumim endiabrado, com duas pernas, cor morena, além de possuir um rabo típico. Com a influência da mitologia africana, o saci se transformou em um negrinho que perdeu a perna lutando capoeira, além disso, herdou o pito, uma espécie de cachimbo, e ganhou da mitologia europeia um gorrinho vermelho. O Saci é portanto, resultado de toda essa miscigenação brasileira.

A principal característica do saci é a travessura - ele é muito brincalhão, diverte-se com os animais e com as pessoas. Por ser muito moleque ele acaba causando transtornos para as vítimas de suas peripécias. Segundo a lenda, o Saci está nos redemoinhos de vento e nascem em brotos de bambus, onde vivem sete anos e, após esse tempo, vivem mais setenta e sete para atentar a vida dos humanos e animais, depois morrem e viram um cogumelo venenoso ou uma orelha de pau. =)

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Consumo Consciente

Tornar-se um consumidor consciente não é tão fácil quanto parece. Para ajudar as crianças e professores nessa supermissão, o Instituto Akatu lançou o Edukatu - uma rede de aprendizagem que nasceu para incentivar a troca de conhecimentos, valores e práticas sobre consumo consciente entre professores e alunos de escolas em todo o Brasil.

Desenvolvido e promovido pelo Instituto Akatu, reúne informações e materiais e convida os participantes a realizarem atividades por meio de uma experiência inovadora de circuitos de aprendizagem e de ferramentas interativas. 

Quer ser um instrumento de mobilização, facilitando o desenvolvimento de uma comunidade de engajamento contínuo em favor do consumo consciente. Nessa rede, cada participante se tornará um disseminador, ampliando de forma colaborativa o alcance dos debates e intervindo diretamente no dia a dia e nas práticas cotidianas das pessoas ao seu redor.

O projeto partiu da importância do educador como agente transformador, seja ele professor, pai ou mãe e se apoia na urgência da educação para a sustentabilidade, reforçada no documento final da Rio+20 “O futuro que queremos”.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Produtos com Propósito
















http://vimeo.com/52826809

Introduzida no Brasil no período colonial, a renda renascença difundiu-se rapidamente no Nordeste brasileiro especialmente em Pernambuco e Paraíba. A técnica teve sua origem na ilha de Burano, em Veneza, Itália, no século XVI e foi trazida por freiras europeias que se fixaram em Olinda, Pesqueira e Poção.

Era uma arte proibida que não podia atravessar os muros da igreja mas que passou a ser compartilhada “ilegalmente” entre as mucamas que acompanhavam as sinhazinhas dentro dos internatos e tinham acesso à técnica dominada pelas freiras. Desde então, transmitida de geração em geração e herdada por mães, avós ou tias, a tradição chegou a outros estados e hoje abriga milhares de mulheres rendeiras na região do semi-árido brasileiro.

Estilo de renda feita exclusivamente a mão com traços marcantes onde predomina um intricado de códigos de nós, pontos e entrelaçados, a renda renascença é um tecido construído e estruturado pela própria rendeira. Nela, os motivos do desenho são feitos à medida que a rendeira produz o fundo que estrutura o tecido. É confeccionada com agulha, linha e lacê de algodão. Cada ponto é nominado segundo elementos da natureza, comidas, ou expressam sentimentos e esperanças de suas artistas: aranha, abacaxi, traça, cocada, xerém, amor seguro, laço, sianinha, malha e amarrado. À procura da claridade necessária à produção da minúscula renda, as mulheres tradicionalmente bordam nas portas de suas casas.

Devido ao longo e rigoroso período de secas, no final da década de 90, a Região do Cariri paraibano apresentava baixíssimos índices pluviométricos e de desenvolvimento humano (IDH), além de sério processo de desertificação, o que reduzia todas as suas possibilidades de desenvolvimento. A histórica atividade da renda renascença estava em declínio, condicionada a uma relação comercial desfavorável, quando as rendeiras vendiam suas peças a preços irrisórios para os poucos intermediários que ousavam desbravar esse território.

Para resgatar essa atividade e transformá-la em uma alternativa de desenvolvimento sustentável para essas comunidades, surgiram diversos programas e iniciativas governamentais. Centenas de rendeiras organizadas por associativismo se integraram às ações que buscavam recuperar a qualidade dos produtos, estimular a prática associativista e descobrir novos mercados como forma de criar oportunidades de trabalho e renda digna por meio de seus talentos e produções de tradição.

Presentes até hoje, esses programas representam para estas mulheres a oportunidade de uma revolução que as liberta da domesticidade e as torna autônomas de sua condição financeira e social. Hoje, a técnica da renda renascença, adquirida pelos colonizadores há mais de um século como herança cultural é o acesso a dignidade para essas milhares de mulheres do agreste brasileiro.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Dia Mundial Sem Carro



No próximo domingo, dia 22 de Setembro, teremos mais um Dia Mundial sem carro.
Que tal aproveitar essa data para abrir discussões que busquem meios de transportes mais limpos, mais eficientes e mais humanos. No formato de sociedade em que vivemos, todos os transportes são importantes e necessários. Porém, o excesso, o mau uso e a pressão cultural tornaram o cenário de mobilidade urbana inaceitável.
A Tátil Design de Ideias - uma consultoria de estratégia, construção e gestão de marcas que usa o design e o branding para criar conexões sustentáveis entre pessoas e marcas - preparou um material para compartilhar inspirações e ideias, que ganham força quando alcançam mais e mais pessoas. Acesse, compartilhe e fale sobre esse relatório através de suas redes. http://issuu.com/tatil/docs/wcfd13_ok1
E aí? O que acha de experimentar uma vida sem carro? Que tal começar com trechos curtos, a ida até a padaria, o correio, o banco. Você vai acabar se surpreendendo com seu bairro, descobrindo lugares interessantes, reencontrando pessoas e antigos amigos e tornando seu dia mais interessante. =)

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O oceano cuida de nós. Vamos retribuir o favor.

O oceano, nosso patrimônio comum, cobre mais de 70% da superfície do globo. Molda o clima da terra e influencia a distribuição de ecossistemas, de biodiversidade e da disponibilidade de alimentos em todo o mundo. Ele sustenta a vida na Terra. É fundamental para a vida humana.
O ser humano pode e deve viver de forma a contribuir para sua sustentabilidade. Ações individuais e coletivas são necessárias para gerir de modo eficaz os recursos do Oceano, para que sejam suficientes e cheguem a todos. Somos todos responsáveis. Pense nisso. www.seashepherd.org.br













































www.facebook.com/produtoscomproposito

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Produtos com Propósito










O norte do Piauí é conhecido internacionalmente pela produção de produtos em opala, bela e rara pedra semipreciosa, encontrada apenas na Austrália e nessa específica região do Brasil. Depois de lapidado, o mineral é usado na fabricação de exclusivas joias feitas a mão. 

A opala foi, durante décadas, explorada somente em minas da Austrália, mas atualmente o Brasil é o principal produtor mundial. Muitas dessas pedras brasileiras eram levadas para a Austrália e lá comercializadas como minério australiano. Isso ocorria por falta de ações voltadas para a valorização desse produto no Brasil. 

Com cerca de 30 minas, entre ativas e inativas, a região teve sua primeira mina em 1942. Durante 03 décadas, a exploração de grandes mineradoras foi responsável por um enorme problema ambiental. Após o período de extração extensiva, levando ao esgotamento das minas, abandonaram a região deixando para trás um grande volume de resíduos gerados pela atividade. Nas minas são encontradas hoje grandes quantidades de “chibius” (opalas pequenas), consideradas na época impróprias para o uso em joias e com baixo valor comercial.

Em termos sociais, ainda hoje a atividade é responsável pela subsistência de um grande número de pessoas. Aproximadamente 500 homens, pais de famílias, moradores de roça e com escolaridade mínima, trabalham nas dezenas de minas “abandonadas” para ganhar menos de um salário mínimo. 

Diante desse cenário e da necessidade de aumentar a renda dos garimpeiros e lapidários da região e fortalecer essa atividade local, há alguns anos, eles decidiram se organizar e criaram uma cooperativa onde atualmente, diversos profissionais cooperados trabalham com garimpo, lapidação e joalheria. 

Houve uma mudança de visão e os “chibius” passaram a ser usados como matéria-prima por meio de uma nova técnica de produção - os mosaicos de opala. A técnica se utiliza de pequenos fragmentos da pedra (que anteriormente eram descartados como resíduo) para preencher uma superfície e assim constituir a joia – que ganha um caráter exclusivo e ainda mais artesanal. Esse tipo de produção absorve hoje 25% da mão de obra empregada nas minas e 50% nas oficinas de lapidação. 

Uma atividade que dá origem a produtos com propósito de melhorar a capacitação dos profissionais que vivem desse trabalho, agregar valor para a opala e desenvolver o setor que proporciona de forma direta e indireta emprego e geração de renda para essas populações excluídas do mercado de trabalho formal.


#opala #semijoia #geraçãoderenda #resíduoambiental #propósito

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Consumo com Propósito


Quer saber como você, aqui no Brasil, pode ajudar a salvar os orangotangos na Indonésia? 

O Zoo Cheyenne Mountain criou um aplicativo gratuito, o "Guia de Compra Sustentável sobre o Óleo de Palma". O objetivo é fazer a diferença para orangotangos silvestres por meio da conscientização sobre a crise provocada pelo óleo de palma e encorajar as pessoas a agir, fornecendo ferramentas e informações que possibilitem que elas façam, globalmente, escolhas de consumo responsáveis. http://www.cmzoo.org/conservation/palmOilCrisis

O óleo de palma é um dos óleos vegetais mais consumidos no mundo, com as mais diversas aplicações na indústria, desde frituras industriais, chocolates, massas, margarinas, cremes vegetais, biscoitos, sorvetes e cosméticos até detergentes, sabões e sabonetes.

Ele faz parte da nossa vida e dia-a-dia mesmo que a gente não saiba, já que frequentemente é colocado nos rótulos como óleo vegetal, tornando difícil a sua identificação nos produtos direcionados ao consumidor final.

Uma de suas principais características é a alta produtividade. Um hectare da palmeira produz, em média, 5 toneladas de óleo – 10 vezes mais do que a soja. O cenário parece promissor. Se o óleo é tão produtivo, onde está o problema?

O plantio da palma é considerado um dos maiores responsáveis por desmatamentos destrutivos dos tempos atuais. O ônus principal, claro, vai para os países que mais produzem, Indonésia e Malásia, e sacrificam suas florestas primárias e riquezas de biodiversidade em nome da renda adquirida com a exportação do produto para grandes corporações mundiais.

Tanta produção tende ao esgotamento. Estudos dão conta de que a Indonésia e a Malásia não terão mais terras cultiváveis daqui a dez anos. Nestes países, as áreas de floresta são os últimos habitats remanescentes de animais ameaçados, como o tigre da Sumatra, o rinoceronte asiático e o orangotango.

Em 2010, o Greenpeace iniciou uma campanha mundial para protestar contra grandes corporações que compram óleo de palma de produtores que desmatam. Quer saber mais? Acesse

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Entre Rios

Quais são os limites da intervenção humana? O crescimento das cidades deve ser planejado a serviço de quem? 
É possível produzir um desenvolvimento urbano pautado nos preceitos da sustentabilidade, desenvolvendo a vida econômica e social garantindo o respeito ao meio ambiente?

O documentário "Entre Rios" aborda algumas dessas questões tomando como foco a expansão urbana da cidade de São Paulo e é essencial para entender a lógica que guiou o desenvolvimento da cidade.

O filme faz um resgate histórico da importância dos rios no nascimento da cidade e mostra os impactos do plano de urbanização pelo qual a cidade passou na década de 50 quando os rios passaram a ser considerados um obstáculo ao desenvolvimento.

“Entre Rios" ressalta o fato da urbanização ter priorizado a abertura de espaços para consolidação do automóvel como modelo de transporte às custas da precariedade dos transportes de massa. Tratado como peça-chave no discurso de modernização, muito mais que um meio de locomoção, o carro tornou-se um símbolo de desenvolvimento e hoje faz parte de uma das questões públicas mais urgentes da metrópole, a mobilidade.

Um documentário sobre a ação do homem e como esta intervenção afeta o nosso cotidiano. Um filme que fala por si só. Ao dar preferência ao automóvel, pagamos por isso a cada chuva. http://vimeo.com/14770270

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Empreendedores Sociais

Programa Cidades e Soluções fala sobre empreendedorismo social e mostra a geração de brasileiros que decidiram agir e resolver problemas. Vale compartilhar! Benfeitores atraem (e inspiram) Benfeitores! 

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Produtos com Propósito






Incrustrada no extremo sul do Brasil e banhada pela maior lagoa do mundo em extensão, uma colônia de pescadores é protagonista de uma inspiradora história de empreendedorismo social. Entre ruas de chão batido, as casas coloridas caprichosamente construídas revela o encanto de um lugar que preserva sua rusticidade. Fundada em 1921, época em que 40 famílias viviam exclusivamente da pesca artesanal, o local abriga hoje cerca de 1.100 famílias que buscam nas águas da maior lagoa do mundo, o sustento através da pesca. 

É um lugar regido pelas safras, onde as chuvas orquestram a fartura ou escassez de peixes e crustáceos. Em um lugar de tanta riqueza cultural, belezas e lendas, nasce uma exuberante coleção de produtos com propósito: peças produzidas pelas mãos de um grupo de mulheres a partir do reaproveitamento de redes de pesca, transformando lixo em arte. As mulheres retiram do material desgastado pelo uso e descartado pelos pescadores a matéria-prima para suas peças. 

Através das mãos habilidosas, o material transforma-se em bolsas, carteiras, chapéus e acessórios com design contemporâneo. As redes de pesca, que serviram para arrastar safras de camarão, se transformam em produtos inovadores tecidos em um rústico tear. 

A iniciativa é promovida por meio de uma rede de parceiros e beneficia centenas de famílias. A coleção traz em cada produto um pouco da vida dessas mulheres, que resistem bravamente ao andar apressado dos tempos modernos. Elas lançaram suas redes de sonhos nas águas da lagoa e hoje apresentam uma safra de peças encantadoras, que além de beleza são carregadas de auto-realização.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Conferência Ethos 2013

Acontece esta semana a Conferência Ethos 2013! De 3 a 5 de setembro, o encontro este ano aborda o tema dos “Negócios Sustentáveis e Responsáveis”.
É chegada a hora de transformar o conhecimento acumulado sobre gestão e sustentabilidade num novo tipo de dinâmica e testar o quão lucrativos podem ser os negócios sustentáveis.
Além de oferecer os tradicionais debates, palestras e discussões conceituais, a Conferência terá uma nova perspectiva ao tratar da temática de forma aplicada às modelagens de negócios sustentáveis. “Análise de Casos de Negócios Sustentáveis” e “Análise de Modelos de Negócios Sustentáveis” são os dois módulos exclusivamente estruturados para atender a esse objetivo.
Teoria e prática finalmente estarão de mãos dadas, abrindo caminhos para a transformação na forma de fazer negócios. http://www3.ethos.org.br/ce2013/evento/informacoes-gerais

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Consumo com Propósito

“O consumidor é essencial. Mais do que conhecer as ações que já estão sendo realizadas, ele precisa mudar o seu comportamento e seus hábitos de consumo. São as ações individuais que fazem o Plano dar certo na ponta”, comenta Mariana Meirelles, Secretária de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental do Ministério do Meio Ambiente - MMA, em entrevista ao Akatu sobre o Plano Nacional de Produção e Consumo Sustentáveis. http://bit.ly/1dnr849

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Hora de se reinventar

“O homem do século 21 tornou-se um animal urbano. A natureza selvagem foi substituída pelos novos meio ambientes construídos, trazendo o conforto da civilização.
Água, alimentos, energia, matérias-primas e tudo mais que nossas cidades consomem entram e saem de nossas vidas por estradas, canos, ondas ou fios.
Tornamo-nos artificialmente protegidos por nosso novo horizonte decimento e os muitos horizontes digitais que criamos.
As consequências catastróficas do nosso “business as usual” tornam a obrigação da geração viva inadiável: fomentar (regular), criar (empreender) e apoiar (consumir) modelos econômicos (negócios) que também protejam a riqueza natural finita da Terra.
Lester Brown propõe a cada indivíduo, empresa ou nação responsável um Plano B, real e imediato, para nosso modelo de prosperidade.
Não em nome da natureza em si que de alguma forma sempre sobreviverá a nós todos.
Mas do precioso, delicado e ainda incompleto estágio civilizatório que a humanidade atingiu.”

Edoardo Rivetti, diretor da New Content, no prefácio brasileiro do livro Plano B 4.0 de Lester R. Brown

http://www.ideiasustentavel.com.br/2010/10/plano-b-4-0-mobilizacao-para-salvar-a-civilizacao/

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Brindes com Propósito







Este mês a Casa da Vila finalizou mais um projeto corporativo. Em comemoração aos 25 da Condovel, empresa com sólida experiência no ramo imobiliário, fomos procurados para atendê-los com uma solução de presente diferenciado para seus clientes e parceiros de jornada.

Mais do que um presente, a empresa buscava um produto com propósito. Queriam algo que refletisse a filosofia da empresa e que simbolizasse o valor da cultura brasileira de uma forma legítima.

Pensando nesse briefing, apresentamos algumas propostas, incluindo o desenvolvimento da embalagem e materiais promocionais complementares para atingir um resultado completo, integrado e impactante.

Assim, chegamos às terras que hoje hospedam uma inovadora iniciativa de desenvolvimento sustentável por meio de produção artesanal, bem no interior do Brasil. No período colonial, foram vendidas em pequenos lotes no sentido de promover povoamento e desenvolvimento. Os compradores, em sua maioria, eram imigrantes da Europa, formados por descendentes de suíços, belgas, alemães, portugueses, holandeses, chineses, franceses e africanos. Deste contexto histórico a região herdou, como uma de suas principais atividades econômicas, o cultivo da banana e café, hoje símbolos da cultura brasileira. 

Da intensa atividade e dos resíduos deixados por ambos na região, algumas iniciativas passaram a incentivar atividades voltadas à geração de renda para a população local com redução de impacto ambiental. Assim surgiu o trabalho de uma pequena unidade produtiva com técnicas e linha de produtos próprios. 

De forma inovadora, propuseram o aproveitamento da palha do café - delicado revestimento que envolve os grãos do café e que se desprende quando o grão passa pela etapa da secagem - para produção de objetos com design contemporâneo. 

Atentos com a preocupação ambiental presente no trabalho, o núcleo também reaproveita papelão reciclado na produção das peças, utilizados na fase estrutural dos objetos. Atualmente contam com alguns apoios de órgãos públicos e também empresas privadas para dar continuidade e aprimoramento ao trabalho.

A Condovel compartilha desses valores e apoiou essa ideia. Acreditamos que o cliente que recebe um brinde sustentável fica mais aberto a construir uma relação de confiança, credibilidade e respeito com a empresa e seus produtos. Além disso, a empresa tem a oportunidade de exercer sua cidadania corporativa ao multiplicar os valores da sustentabilidade, engajar e mobilizar seu entorno.

Queremos dar os parabéns a Condovel pelos 25 anos de conquistas e pela decisão de adquirir um brinde com propósito. Assim como eles, esperamos que mais empresas se tornem parceiras na tarefa de criar negócios mais éticos e sustentáveis.

O que nos motiva? Sermos o canal para essa transformação social.

*brinde: caixa executiva em palha de café recheada com bombons de café com chocolate amargo

sábado, 24 de agosto de 2013

Mútuo, um novo jeito de consumir

Já ouviu falar? O mútuo nasceu para ser trazer mais senso de responsabilidade com o consumo de bens, com o relacionamento entre pessoas, com o meio ambiente =)
O que você quer compartilhar? Do que você precisa? Do que você quer cuidar?

sexta-feira, 23 de agosto de 2013


Hoje é dia de celebrar a vida! A natureza é de fato fascinante! Vale a pena assistir ao video
http://www.wimp.com/awesomeanimals

quinta-feira, 22 de agosto de 2013



















"Não haverá sustentabilidade no planeta enquanto não houver paz no coração" Fabio Souza (Projeto Senhor Sustentável)

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Procurando por produtos sustentáveis?










Considerado um filho da selva, o ex-seringueiro viveu até os 14 anos na floresta. A infância e a adolescência lhe deram intimidade com a fauna e a flora, especialmente com as árvores. Com o pai aprendeu a construir barcos, iniciando na carpintaria e marcenaria. O avô o alfabetizou e lhe contou histórias, estimulando sua curiosidade pelo conhecimento formal e o prazer da imaginação. 
Aos 14 anos foi estudar num seminário em Santa Catarina, convivendo com uma população de origem alemã. Provou de invernos rigorosos, da alimentação estranha ao seu paladar e de modos de proceder diferentes dos seus. Amargou a distância da família e do seu habitat e experimentou o preconceito. 
Enfrentava cinco quilômetros de caminhada diária para assistir às aulas de filosofia, teologia, arte, botânica, alemão. Diante do desafio de atravessar o abismo entre a tradição amazônica e a germânica, o caboclo, que era cria da floresta e foi feito de uma fibra extraordinária, encontrou a capacidade de se adaptar e superar as situações adversas. Era guiado por um ideal, uma necessidade profunda de aprender. 
Também principiou na marchetaria - arte de embutir madeiras coloridas em superfícies também de madeira, compondo motivos. A técnica surgiu em 3.000 anos a.C, foi praticada pelos egípcios antigos e teve o apogeu na Europa, no Século XVI. 
Mergulhou fundo nessa arte, orientado por um padre. A imersão foi exaustiva: doze horas diárias de labuta. Teve a chance de estudar na Alemanha. Numa formidável fusão de saberes, a pulsação vibrante da Amazônia encontrou a sofisticação do espírito alemão. Depois na Suíça, lapidou ainda mais o seu talento. Desde 95 estabeleceu-se na Amazônia e criou uma Oficina-Escola onde uma centena de alunos já passaram, especialmente filhos das comunidades ribeirinhas. Ensinar a arte protegendo a mata é sua grande missão.
Com os moradores do Seringal onde nasceu, que, para seu abalo, reencontrou devastado, deu início a um projeto de reflorestamento. Juntos, já plantaram mais de 30 mil árvores. Dentro do Seringal implantaram uma espécie de posto avançado de estudos, com acomodação para receber acadêmicos de biologia, agronomia, engenharia florestal e das ciências que pesquisem a floresta, sobretudo seu uso sustentável. 
Hoje, um artista reconhecido internacionalmente, o seringueiro derrama em suas imagens baldes de luz, sombra, profundidade, cores, perspectiva, proporções e apurado senso estético, com todo o domínio técnico que edificou ao longo da vida. 
Um arte que narra a floresta soberana, variadas flores que transbordam delicadeza e a história da gente do seu lugar. O material recolhido é transformado em lâminas, que conservam os desenhos da madeira. É tão delicado, tão perfeito, que parece uma pintura - mas não há um pingo de tinta. Só as cores naturais de uma Amazônia morta pelas queimadas e pelos desmatamentos. Carregam o cheiro e as cores naturais de mais de 150 espécies de árvores e plantas amazônicas. A inspiração, a criatividade, o isolamento, a sabedoria de uma população que vive em paz com a floresta. 
http://casadavila.com.br/despensa/produtos_detalhe.php?cod=1022

terça-feira, 20 de agosto de 2013

Consumo Consciente

Se a humanidade se comprometesse a consumir a cada ano só os recursos naturais que pudessem ser repostos pelo planeta no mesmo período, em 2013 teríamos de fechar a Terra para balanço hoje, 20 de agosto.

quinta-feira, 15 de agosto de 2013






















Acreditamos na possibilidade de um mundo melhor e mais justo através de negócios e ações éticas, criativas, transformadoras e benéficas que permitam o despertar do potencial humano nas pessoas. E você?

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Produtos com Propósito

Em meados de 2003, moradores de um município de contexto tipicamente rural, onde a economia se baseia na agropecuária e nas pequenas atividades caseiras de agroindústria e produtos feitos à mão, diante de afinidades e desejos em comum, iniciaram conversas sobre a criação de uma Associação. Constituída pelo desejo de cidadãos engajados, em 2004 foi fundada uma associação civil, de direito privado de caráter sócio-ambientalista e de desenvolvimento agro-ecoturístico. 
Procuram estudar, pesquisar e divulgar as causas dos problemas ambientais locais e possíveis soluções, visando o desenvolvimento da região de forma ecologicamente sustentável. Promovem a integração de agricultores familiares à atividade turística com a finalidade de agregar valor e aumentar a renda. Capacitam de forma voluntária e gratuita, jovens e adultos através de treinamentos para produção de bens e produtos agroindustriais. O propósito é que passem a se apropriar das técnicas desenvolvidas para exercer plenamente suas capacidades, criando novas oportunidades para enfrentar os desafios que afetam seu dia-a-dia. 
Acompanham o desempenho das turmas e avaliam resultados por meio do controle de qualidade dos produtos. Estimulam novas iniciativas voltadas ao ensino e a inovação por meio de novos cursos e serviços para as comunidades, visando o desenvolvimento do espírito empreendedor e autonomia dos produtores. 
Em 2009, uma das associadas propôs um novo desafio. Produzir papel reciclado e sub-produtos. O trabalho recriou um novo modo de vida para os envolvidos, promovendo renda extra para as famílias, fortalecendo a importância da fixação dessas pessoas no meio rural e da valorização da cultura. A produção é feita de forma sustentável - pesquisaram as fibras naturais em abundância na região, como cascas, palha de café e de milho, fibras de bananeira, taboa e outras plantas de ciclo renovável.
Feito com participação dos produtores diretamente envolvidos juntamente com suas famílias, o trabalho envolve mulheres lavradoras de café da comunidade rural, gerando trabalho e renda nos períodos de entressafra. 
Possuem uma área de preservação da Mata Atlântica - uma das mais ricas biodiversidades do planeta e uma das mais ameaçadas, com risco de extinção de quase todas suas espécies endêmicas. Como uma RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) foi declarada “área de conservação da natureza” pelo Ibama – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e possui um plano de manejo que define como as atividades serão desenvolvidas para assegurar a conservação da biodiversidade, permitindo apenas atividades de turismo ecológico, educação ambiental e pesquisa científica que não comprometam o equilíbrio ecológico das espécies ali existentes.
O trabalho de conscientização e preservação é uma prática diária. Investem em educação ambiental de forma vivencial, ensinado a reutilização do papel velho, transformando-o em novo, além de visitas monitoradas que reforçam a importância do manejo para a reprodução das espécies. 
Com cores, texturas e estampas feitas a mão que enfeitam as peças de forma original, os produtos são fruto de uma bem-sucedida rede de parcerias que visa promover a sustentabilidade dos atores envolvidos, educação ambiental, ocupação e renda no meio rural, inclusão social da comunidade de baixa renda, levando a estas localidades a oportunidade de capacitação e acesso ao mercado como um dos instrumentos para a construção e o exercício da cidadania.
Produtos limpos que assegurem a qualidade de vida da sociedade com um todo, convidando consumidores a adotarem um estilo de vida mais harmônico que considere as demandas da sociedade e as da natureza. A criatividade, o cuidado com o acabamento e a beleza dos produtos encantam e brindam a vida! Uma vida onde o respeito ao planeta e às futuras gerações é uma verdade e uma prática.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Uma vida interligada

Inspirador! Um pequeno e excelente documentário educativo que apresenta importantes informações sobre questões éticas, ambientais, sustentabilidade e sociais dentro da temática do vegetarianismo e do consumo de produtos, que representa um assunto urgente e de vital importância para a sobrevivência de todo o planeta e da espécie humana, para o presente e o futuro. http://www.youtube.com/watch?v=eSWh9RLWpcg&list=PLD825792209049503